Ao nascimento de seu segundo filho , Bela Gil comeu a sua placenta , crua , batida com uma vitamina de banana e dividiu com a sua filha .

A placenta é um órgão temporário que surge na gravidez para nutrir o feto , prover oxigênio e hormônios.

Conforme a gravidez avança , ela aumenta de tamanho :

Por que comer a placenta?

Bela Gil e outras adeptas acreditam que devido à grande presença de ferro e vitaminas presentes na placenta , a ingestão do órgão levaria a uma diminuição da fadiga , prevenção de anemia e depressão pós parto .

Entretanto, um estudo realizado para comparar o índice de ferro analisou a cápsula de placenta e a carne bovina , ambos desidratados e não houve nenhuma diferença entre os dois. Ou seja , comer um bom bife também teria as mesmas propriedades nutricionais da placenta.

Mas há cerca de 2 meses saiu a seguinte matéria:

A reportagem foi baseada em um estudo feito nos Estados Unidos . Aonde fica claro que a ingestão da placenta expõe a mãe a infecções bacterianas, toxinas e hormônios acumulados no órgão, o que também pode impactar a amamentação, afetando o bebê.

De acordo com o principal autor do estudo, o professor de obstetrícia clínica e ginecologia Amos Grünebaum, até mesmo nos formatos em cápsula e em pó, mais comuns no mercado, a placenta ainda pode oferecer os riscos. Um relatório divulgado pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) mostrou que, caso não seja esterilizada apropriadamente, a placenta pode conter bactérias e vírus, inclusive HIV, zika e hepatite , propiciando a contaminação de quem ingere a “medicação”.

…”As pessoas que dizem para as mulheres que elas deveriam comer placentas ganham muito dinheiro com isso. É a mesma ideia das pessoas que vendem óleo de cobra”…

Se você se interessar pela placentofagia ,nos Estados Unidos, encapsular placentas custa em torno de 200 a 400 dólares. No Brasil, de acordo com a reportagem da Veja, o valor do suplemento pode chegar a 500 reais.

Para realizar o procedimento , transformar a placenta em cápsulas , é necessário a manipulação adequada e uso de recipiente estéril, sem adição de formol. Deve ser congelado por até 5 hs e encaminhado para o local responsável pelo processo.

Mas os hospitais brasileiros aceitam ou fazem o procedimento? Bem , consegui achar na internet sobre duas maternidades : o Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, não soube informar quantos pedidos de placenta já atendeu, mas informou que se a mulher quiser, a placenta fica armazenada em um local refrigerado até a alta hospitalar. Já o Grupo Santa Joana, que inclui a Pró Matre, informou que a paciente pode levar a placenta para casa, mas deve fazer isso no mesmo dia do parto, pois o hospital não se responsabiliza pelo armazenamento.

A transformação em cápsulas reduz o risco de infecção , mas ainda não possui nenhum efeito benéfico comprovado.Os benefícios relatados por algumas mães , diminuição da fadiga e melhora na auto estima , são subjetivos e provavelmente associados ao efeito placebo , o efeito de acreditar na cura e na melhora dos sintomas.

Vale a pena a exposição , ao risco? Ou seria mais um modismo natureba desnecessário?

Fica a dica.

Anúncios

Escrito por Dra Fernanda Naka

Pediatra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s