Qual pai ou mãe nunca enfrentou uma crise de birra ? A criança esperneia , deita no chão , grita e faz todo mundo olhar para você . O que fazer?

A birra faz parte do desenvolvimento infantil e acontece quando a criança ainda não tem maturidade suficiente para lidar com uma determinada frustração e acaba explodindo.Os ataques de birra sempre acontecem por um motivo e são dirigidos a alguém. Por exemplo, seu filho pode estar com sono, cansado ou querer um brinquedo que não vai ganhar e, então, explode, para testar o limite dos pais ou de quem está cuidando dele naquele momento. Mas agora a ciência resolveu olhar para o que pode estar por trás dos ataques que acontecem sem motivo aparente, ou seja, quando ele está brincando ali sozinho e, de repente, explode, sem se dirigir a ninguém.

Uma pesquisa realizada pela Escola de Medicina Feinberg, da Universidade Northwestern, em Chicago, nos Estados Unidos, com pais de 1.490 crianças de 3 a 5 anos, mostrou que, quando a birra acontece diariamente, de forma agressiva e sem motivo, ela pode esconder outros problemas.

De acordo com o relato dos participantes, 83,7% das crianças têm ataques de raiva ocasionalmente, mas 8,6% das crianças “explodem” diariamente e sem motivo – e a birra dura mais de cinco minutos e de forma agressiva (com chutes, tentativas de agredir os pais, os irmãos e até a si mesma).

Estes comportamentos podem esconder outros problemas que podem estar causando sofrimento à criança. Pode ser uma crise de ansiedade causada pela mudança de casa, de escola, a morte de um parente querido ou de um animal de estimação, a separação dos pais e até mesmo a falta de diálogo em casa. Essa é uma forma de a criança pedir socorro. O melhor a fazer é procurar a ajuda de um profissional.

Já ouviu falar do transtorno opositor desafiante?

Uma a cada dez crianças sofre do transtorno opositor desafiante . Atinge mais meninos e geralmente se inicia a partir dos 4 anos. Não possui causa identificada até o momento , mas possui um fator genético : a criança herda dos pais comportamentos impulsivos, baixo limiar a frustração, irritabilidade e disfunções em neurotransmissores serotoninérgicos e dopaminérgicos. Já os fatores ambientais estão relacionados com o tipo de criação dada pelos pais, alcoolismo e uso de drogas , negligência aos cuidados e falta de afeto.

Sintomas

Os sintomas aparecem são diários , com cerca de 3 a 5 episódios por dia e surgem em qualquer lugar : em casa , viagens e até na escola.

• Perda da paciência;

• Acessos de raiva;

• Baixa autoestima;

• Baixa tolerância a frustrações;

• Discussões excessivas com adultos;

• Recusa em obedecer a solicitações ou regras;

• Irritação permanente;

Sintomas na Escola:

• Dificuldade em se relacionar com as outras crianças;

• Desempenho escolar comprometido;

• Dificuldade em realizar tarefas em grupo;

• Não aceita ou pede ajuda dos professores;

• Apresenta agressividade com colegas de classe;

• Não faz atividades escolares;

• Não aceita críticas;

• Desafia autoridade professores, coordenadores e demais educadores;

• Deseja tudo do seu jeito;

• Não assume responsabilidade para si, acusa os outros por seu comportamento hostil.

O diagnóstico é feito por uma equipe multidisciplinar , com neurologista infantil ,psiquiatra e psicólogo , pois não há nenhum exame específico para a doença.

Procurar tratamento para crianças e adolescentes com suspeita de Transtorno Opositivo Desafiador é muito importante. Quando não tratado, o TOD pode se desenvolver para outros transtornos de comportamento mais graves, como transtorno de conduta ou da personalidade antissocial. Além disso, adolescentes com TOD têm risco aumentado para transtornos de ansiedade, uso de drogas e delinquência.

A terapia consiste na reeducação comportamental das crianças e principalmente do pais. Somente em alguns casos as crianças são submetidas ao tratamento com medicamentos.

Dicas:

😡 Os pais devem ser unidos com a escola

Os pais precisam falar a mesma língua e devem permanecer sempre atentos para evitar que um desautorize o outro. É fundamental que existam regras claras para a rotina da criança e que ambos entrem em um acordo para a condução e aplicação dessas regras, principalmente se os pais não moram juntos. Mesmo separados, os pais precisam alinhar suas ações para driblar o problema. Isso também precisa ocorrer no ambiente escolar e, nesse sentido, estar sempre em contato com os professores e coordenadores é fundamental.

😡 Seja firme

É preciso ser direto, claro e objetivo ao dar ordens e estabelecer regras. Olhar nos olhos, evitar a agressividade e assumir uma postura firme são atitudes que ajudam a diminuir o comportamento de oposição da criança, estimulando que ela entenda a importância de respeitar as regras e as figuras de autoridade.

😡 Seja o exemplo

Os adultos servem de modelo para as crianças, que repetem os comportamentos dos pais. É importante manter um ambiente familiar marcado por afeto e respeito, de modo que a criança tenha referências saudáveis.

😡 Estabeleça uma rotina

Fica muito fácil a criança se adaptar a uma rotina de horários : escola , refeições , atividades e dormir.

😡 Elogie

Muitas vezes, os castigos e punições se mostram ineficazes. Em vez de apelar para eles, faça o possível para elogiar os acertos , reforce o positivo da criança.

Fica a dica.

Anúncios

Escrito por Dra Fernanda Naka

Pediatra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s